Blog

Talento não compensa comportamento

Postado em:

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Fofocar, culpar os outros e ter uma atitude negativa ou agressiva são algumas das características que mais tornam profisisonais “tóxicos” para o ambiente de trabalho, segundo um levantamento; A maioria dos funcionários considera que a presença de colegas assim atrapalha o trabalho – e acha que as empresas não fazem o suficiente para evitar a situação.

 

 

A pesquisa foi realizada pela empresa de desenvolvimento de liderança e treinamento Fierce, e teve a participação de 500 profissionais americanos. Para eles, a atitude que mais contribui para um colega ser considerado prejudicial no trabalho é a negatividade (41%), seguida da passivo-agressividade (32%). Cerca de 10% acham que culpar sempre os outros e fofocar sobre os colegas são comportamentos mais tóxicos, enquanto 6% consideram a preguiça a pior ofensa.

 

Independentemente da atitude mais condenada, 88% dos funcionários concordam que o talento ou habilidade especial do profissional não compensam os aspectos negativos de um colega considerado “tóxico” para o ambiente como um todo. Entre os gestores, entretanto, apenas 40% considerariam demitir um funcionário por causa da atitude negativa.

 

Para a presidente da FIerce, Susan Scott, contudo, a resposta não é excluir os profissionais considerados tóxicos pelos colegas, e sim investigar as razões de esse comportamento aparecer – entre os motivos podem estar a sensação de não ser valorizada na companhia, falta de reconhecimento ou conflitos interpessoais. A pesquisa apontou, por exemplo, que mais da metade dos profissionais discutem com colegas de trabalho pelo menos uma vez por mês, e muitas vezes esses conflitos acabam não-resolvidos.

 

“Há um descompasso entre a opinião que funcionários têm de seus colegas e a sua percepção como a liderança lida com a situação”, diz Susan. Após a empresa identificar as origens dos comportamentos negativos, a recomendação da presidente é apostar em uma comunicação transparente e em uma cultura que reconheça o trabalho realizado por todos os fundionários.