A PESSOA CERTA, NO LUGAR CERTO

Por Leonardo C. Batista

Leonardo C. Batista
Gerente de P&D

De repente você recebe uma ligação. A empresa concorrente lhe oferta uma vaga de emprego. Empolgado com a oferta, você organiza suas informações, sentimentos e se prepara para a nova oportunidade de trabalho.

No dia seguinte, você recebe uma contraproposta de sua empresa atual, daquelas difíceis de se recusar.

Essa história lhe parece familiar?

A reflexão que faço em casos como esse é: É possível fazer uma gestão de engajamento em um ambiente onde você compra a permanência das pessoas?

Atuo como gestor há mais de 5 anos, e tenho como pilar de trabalho que a melhor forma de se construir uma equipe de sucesso, é inserindo a pessoa certa no lugar certo. 

Na minha opinião, é preciso que haja sintonia entre o perfil e o cargo, e que a pessoa também possa ser respeitada pela sua individualidade, talentos e pontos fortes!

É preciso entender que respeitar uma pessoa não é só falar baixo com ela ou falar de maneira adequada. Isso é não cometer assédio moral. Respeito vai muito além.

Respeitar as pessoas é estar pronto para aceitar as escolhas delas. É saber se comunicar de forma alinhada às suas preferencias comportamentais e motivacionais e traçar um plano que esteja alinhado com o seu propósito.

E como um gestor pode ajudar o colaborador a encontrar seu propósito?

Você não cria um propósito no trabalho para a pessoa. Você pega o propósito que a pessoa tem para a vida dela e converge para os seus propósitos de trabalho… você os alinha com aquilo que a companhia espera e os resultados aparecem naturalmente.

Uma vez que existe respeito com o colaborador e sintonia de propósitos, direcioná-lo para uma posição onde possa atuar em seu estilo natural acaba se tornando uma tarefa simples.

Conheço muitos gestores que ignoram isso e o resultado geralmente é descontentamento e perda de talentos.

Outro ponto relevante nesse processo é que a gestão deve ser feita de forma individual.

É fundamental que o gestor descubra o que motiva cada um de seus colaboradores (Exato! Nem todos são motivados por dinheiro!) e defina estratégias assertivas, que vão ao encontro do que eles desejam e a posição que vão ocupar, para se sentirem realmente animados e inspirados a darem o seu melhor no dia a dia de trabalho.

Não entendeu? Veja alguns exemplos:

•             Você conhece alguém que gosta muito de aprender?

•             Você conhece alguém que procura posições e cargos maiores?

•             Você conhece alguém que gosta de organizar coisas?

•             Você conhece alguém que gosta de ajudar as pessoas?

Cada uma dessas perguntas nos leva a enxergar perfis motivacionais diferentes e uma vez que você os entende, fica muito mais fácil obter engajamento. A figura abaixo nos dá uma visão sobre motivadores pessoais:

É possível encontrar um bom pesquisador, identificando um motivador teórico!

É possível encontrar um bom design de mídia, identificando um valor estético!

Por onde começar? Diálogo e observação!

Quando um gestor olha para todos esses aspectos, ele fideliza os membros de sua equipe e os incentiva a continuar em frente, criando o sentimento de pertencimento e fazendo que eles se sintam reconhecidos pelo trabalho que desenvolvem.

Comentários

Comentários